Quarta, 27 de fevereiro de 2019, 10h08
Tamanho do texto A- A+


Variedades / hino nacional

Leilane Neubarth provoca polêmica com post

A discussão começou na segunda (25), quando o Ministério da Educação (MEC) enviou para todas as escolas do país um e-mail pedindo que as crianças sejam perfiladas para cantar o hino que o momento seja gravado em vídeo e enviado para o governo

O brasileiro acordou nesta terça (26) às voltas com uma polêmica digna de aulas de Educação Moral e Cívica. O hino nacional deve ser obrigatório nas escolas?

A discussão começou na segunda (25), quando o Ministério da Educação (MEC) enviou para todas as escolas do país um e-mail pedindo que as crianças sejam perfiladas para cantar o hino que o momento seja gravado em vídeo e enviado para o governo. O e-mail pede ainda que seja lida para elas uma carta do ministro Ricardo Vélez Rodríguez, que termina com o slogan do governo “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.”

A medida dividiu opiniões nas redes sociais. Um tuíte da jornalista Leilane Neubarth, da GloboNews, acabou caindo na discussão. “Cantar o hino é uma beleza. Eu cantei na escola, todos os dias. Meus filhos cantavam na escola. Amo e sei de cor. Mas jamais permitiria filmarem meus filhos cantando pra usar sabe-se lá como, onde ou pra quê. Muito menos bradando slogan de campanha criado por marqueteiro”, escreveu. C

O post teve mais de 2 mil curtidas e 800 comentários. Entre eles, muitos contrários à posição da jornalista. “Pois eu autorizaria perfeitamente. Não vejo nada de mais. Ruim, péssimo, vergonhoso e ver crianças e adolescentes dançando funk com gestos obscenos e nenhum defensor do direito das crianças se manifestar”, escreveu uma seguidora. “Slogan de campanha criado por marqueteiro? Isso é um bordão militar usado desde a metade do século passado”, reclamou outro. “O que vejo é um governo que parece ainda em campanha”, contra-argumentou um seguidor.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados