Quarta, 28 de fevereiro de 2018, 09h34
Tamanho do texto A- A+


Judiciário / operação sanguessuga

STF acata denúncia e senador vira réu por corrupção e lavagem de dinheiro

De acordo com o MPF, Wellington Fagundes destinou emendas parlamentares para a aquisição de ambulâncias superfaturadas da empresa Planam por municípios de Mato Grosso

O senador Wellington Fagundes virou réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro nos autos da Operação Sanguessuga. A decisão é da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que acatou denúncia do Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com as informações obtidas pelo site Agência Brasil, o MPF apontou que o senador participou do esquema de desvios de recursos da área da saúde entre os anos de 2001 e 2006, época em que atuava como deputado federal. Ele é acusado de destinar emendas parlamentares para a aquisição de ambulâncias superfaturadas da empresa Planam, de propriedade de Luiz e Darci Vedoin, por municípios de Mato Grosso.

A ministra Rosa Weber, relatora do caso, disse que a denúncia do órgão ministerial foi bem sucedida ao dar conexão entre o cargo ocupado por Fagundes e as vantagens indevidas que teria recebido.

Os ministros Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Alexandre de Moraes e Marco Aurélio Mello seguiram o voto da relatora.

Outro lado

Durante o julgamento da ação, a defesa do senador alegou que a denúncia é vaga e que o MPF não conseguiu fazer ligação entre os recursos supostamente ilegais movimentados pelo político e o caso de corrupção.

Operação Sanguessuga

A Operação Sanguessuga apurou uma organização criminosa voltada a fraudar licitações municipais destinadas a aquisições de unidades móveis de saúde, basicamente ambulâncias, lesando o Sistema Único de Saúde. A ação do grupo criminoso estendeu-se por praticamente todos os Estados da Federação.

A forma de agir consistia na aproximação a parlamentares federais, convencendo-os a captar recursos financeiros por emendas para o atendimento da saúde pública em vários municípios brasileiros, para compra de veículos e insumos hospitalares.

Após a aprovação das emendas parlamentares, as empresas do esquema eram beneficiadas por meio de simulação de competição em licitação para o fornecimento dos produtos, com superfaturamento.



AVALIE:
0
0
0 Comentário(s).

COMENTE
Nome:
E-Mail:
Dados opcionais:
Comentário:

FECHAR

Preencha o formulário e seja o primeiro a comentar esta notícia

FECHAR
Mato Grosso Notícias © 2018 - Todos os direitos reservados